quinta-feira, 25 de julho de 2013

Eu não sei o que falar, pensar ou escrever, eu só.. To mal pra caralho e pode até ser crise adolescente mas  essa porra incomoda. 
Eu to triste porque eu morro de saudades, de saudades de mim, que merda, quem se perde nessa porra de vida? É tanta gente entrando e saindo da nossa vida, é  tanta gente mal que tentamos ajudar e esquecemos de nos ajudar. Eu me perdi, eu perdi meu foco, meu objetivo, eu me sinto uma vadia ridícula e eu tenho nojo da porra do ser humano que eu me tornei, me diz que merda eu sou? nem aqui nem lá, nem isso nem aquilo. 
Essa merda que é crescer? porque se for, na moral, eu não quero crescer não.
É um lixo se tornar um ser humano inútil assim, na boa eu tenho nojo de mim, tão desprezivelmente carente que preciso de um pouco de carinho dos outros, da compaixão, da merda de um sexo mal feito com um estranho pra ver se me sinto melhor, e tudo isso pra que? Ser tão vazia, e sozinha que chega a dar pena? O tempo todo eu estou nesse ciclo vicioso de merda, de sentir necessidade de afeto e achar que o sexo pode curar isso e ir lá e dar para o primeiro que passar e me sentir bem e quando acabar me sentir vazia, suja e fria e aí sabe o que eu faço? Transo outra vez, com outra pessoa me sinto bem e de repente PÁ na merda de novo. 
Eu sinceramente não sei como melhorar e na verdade nem sei se o que eu quero é melhorar sabe, parar de mendigar o amor de quem já ama outra pessoa é um passo grande demais neste momento. É que, sei lá, a única pessoa que acho que podia contar esta tão perdida quanto eu e a quilômetros de distância, pois é, como disse to na merda.

domingo, 14 de julho de 2013

Lágrimas Presas.

Eu era boa nisso, em escrever ...
Saber como começar um texto, eu me sentia boa.
Hoje estou um pouco pensativa, falando sozinha, tentando entender o que se passa dentro de mim.
Estava pensando no amor, no amor que eu sinto desde quando te conheço, que passou por inúmeras fases e mudanças mas sempre esteve aqui. É difícil descrever o que sinto depois de toda essa revolução, mas eu sei o que sinto e para mim basta.
Há quem diga que o que eu sinto não tem importância mas também tem aqueles que não dizem mas pensam "tá, vou fingir que acredito que ainda gosta de mim" é foda.
É terrível admitir mas eu sempre volto ao mesmo lugar. Eu abro mão, do a cara a tapa, passo por inúmeras aventuras e volto com o coração na mão e com saudades, eu sou ridícula.
É horrível perceber o quanto tempo fiquei longe, perceber que os seus gostos não são os mesmos, que não usa as mesmas gírias nem ama mas a mesma pessoa, é horrível perceber que dessa vez eu sinto vontade de ir e não voltar mais, de sair e esquecer, mas você ta aqui, no meu peito e é impossível me impedir de sentir o que eu sinto. 
Enfim, eu não sei me expressar, estou confusa e ansiosa mas a única coisa que tenho certeza é que eu te amo.