terça-feira, 15 de novembro de 2011


É {...} já nem sei mais como se começa um texto, ou não, um desabafo* não sei porque no lugar de chorar & curtir a minha dor lentamente eu apenas escrevo {...} escrevo por um motivo pelo qual eu ainda não sei bem, não o conheço,  eu apenas coloco os meus dedos sobre esse teclado, tão velho & sujo,  e então ele faz o resto, os dedos se movimentam sozinhos sem que eu perceba,  os meus olhos acompanham as letras aparecerem assim como magica no papel não era bem sobre o papel & as letras que eu queria escrever, era sobre o velho, machucado & frágil amor,  ainda consegue se lembrar dele ? pois então, sabe esse amor que você recusou dizendo ser muito para você,  dizendo não conseguir aproveitar ele ? é ele ainda tá aqui, o mesmo amor que quis te cuidar todos os dias, ele está aqui nesse velho peito, o peito que te amou quando mereceu e quando não mereceu, sendo a maioria das vezes não merecido, o peito que quis seu bem, quis cuidar, quis amar, respeitar, abraçar {...} eu, sem sombra de dúvida clamei seu amor mais do que qualquer um  que há de existir nesse mundo, eu briguei, lutei, alcancei, perdi , recuperei & por fim chorei, chorei por não ser a dona dos teus pensamentos tão fúteis & maliciosos, chorei por não ter sua mão pequena aqui, em cima da minha, chorei por sentir seu cheiro sem você estar, {...} se alguém te perguntar quem foi a pessoa que mais te amou nesse mundo que Deus deu, eu espero que você reconheça, e saiba que eu mais do que qualquer um amei você, e então, eu apenas venho para me despedir, estou partindo para outra, não uma nova paixão, ah não {...} partindo para outro lugar uma outra cama, um outro vento, um outro cheiro eu estou o deixando, não que você se importe, mais eu estou indo embora, e pra não voltar nunca mais.
Não seja injusto comigo, não diga que se eu te amasse eu ficaria aqui com você, eu fiquei todo esse tempo todos esses anos aqui, por você & só por você esperando que um dia desse conta do tamanho desse amor, & e viesse de encontro aos meus braços, um pensamento um tanto quanto inocente & ilusório,  olhe para os meus olhos enquanto me despeço, porque eu não tenho mais nada a dizer, os meus olhos irão dizer tudo que minha boca se recusa pronunciar,  preste atenção, olhe no fundo bem no fundo dos meus olhos lá está dizendo " EU TE AMAVA, {...}AGORA EU ME AMO. "

Nenhum comentário:

Postar um comentário